A Serpente de Bronze

Não houve um só lugar de Ioverlar que não tenha sentido o despertar. Os mais novos desconheciam os significados daquela onda de poder, os mais velhos acordaram de seu sono para encarar os céus. Ali, como há três mil anos, os ventos mudaram de direção, a chuva caiu até onde a neve nunca derrete, se fazendo presente do norte ao sul, anunciando a chegada da nova era: assim como um dia caminharam os nomes que marcaram a história do continente, erguiam-se seus filhos, os descendentes do sangue guerreiro.

Ebook A Serpente de Bronze
Ebook A Serpente de Bronze

Receios não a fariam uma líder, era mais do que a sucessora de seu pai, mais do que a expectativa de um governo. Em suas veias corria o sangue dos antigos, de quem caminhou por Ioverlar quando dragões voavam pelos céus trazendo a tempestade com o bater de suas asas.

A Serpente de Bronze

SINOPSE

As cornetas de Spenyn anunciaram, ao alvorecer, o início da nova batalha. Criaturas tão antigas a ponto de virarem lendas, retornaram trazendo desordem e caos em um prenúncio de tempos de guerra. O que renasceu nas areias desérticas de Phóllen trouxe o medo, reviveu horrores e anunciou o começo da nova Era. Bannery Skarten, herdeira do trono das serpentes, vê o exército de seu pai se esvair em sangue e dor ao fazerem frente ao novo inimigo. Com a cidade de Spenyn ameaçada e a única solução para a ameaça recusada pelo conselho, Bannery precisará enfrentar os velhos generais e seu pai para provar que o campo de batalha é o seu lugar.

Que meus inimigos sintam a dor da minha picada“.

O que Andam Falando sobre A Serpente de Bronze?

Recomendo Banny a todas as mulheres que não desistem depois da primeira negativa, que resistem e lutam, mas que não estão numa batalha solitária. A protagonista conta com ajuda, de outras mulheres ao longo da narrativa. Isso é muito importante: caminhamos – ou como serpentes – deslizamos juntas e realizamos um novo movimento. Aqui, especificamente, na literatura fantástica nacional. Sobre a escrita: A descrição completa e fluida se mescla aos acontecimentos, entregando a visão que Banny tem desse mundo que, se a ama, não a enxerga. Gostei muito da escrita da Gabi, não é lenta nem vagarosa, mas possui recheio. Quero logo ler os próximos.
– Carol Façanha.

Um despertar de uma verdadeira guerreira.
Assim como Bannery, vamos descobrindo aos poucos a força dessa personagem e o quanto vemos seu crescimento a partir do momento que ela decide enfrentar suas próprias inseguranças. As pequenas pinceladas sobre o mundo e a criação nos deixa ainda mais curiosos sobre a cultura de cada reino apresentado.
Gabriela nos apresenta com maestria seu potencial e como a personagem, nos faz vibrar a cada cena de luta, de superação e clamar por mais.
“Em suas veias corria o sangue dos antigos, de quem caminhou por Ioverlar quando dragões voavam pelos céus trazendo a tempestade com o bater de suas asas.”
Bannery é como todas nós mulheres, ao deixarmos a insegurança de lado, mostramos a todos todo nosso poder e fúria.
Nathalia Cardoso

Posso falar com propriedade, pois já li tudo que a Gabi escreveu e afirmo novamente: A Serpente de Bronze é a melhor obra dessa escritora sensacional. Com uma poética envolvente, uma linguagem simples, essa fantasia que se passa no cenário de Ioverlar, conta a história de Bannery, uma “princesa” obstinada e decidida sobre o que quer da vida.
Com um conflito muito bem trabalhado, o desenvolvimento da personagem nos empolga a cada página e nos leva a devorar esse conto (que suspeito caracterizar-se como uma noveleta).
Logo nas primeiras páginas a autora traz uma sensação de suspense que se estende ao longo de pelo menos 60% da narrativa e nos deixa cada vez mais ansiosos para encontrar a sua solução, uma pena que o “momento revelação” não foi tão impactante quanto minhas expectativas, entretanto não deixou de ser bom.
Mateus Queiroz

Esse foi, com certeza, o melhor trabalho que já li de Gabi Rhaekyrion, sobrepujando, inclusive, o meu queridinho “Conto de Lazar”, que conta as desventuras árduas de Luckarty.
Com uma criação de mundo estupenda, personagens super realistas, uma fauna e flora riquíssimas e um desenvolvimento alucinante, foi um ensejo deveras prazeroso acompanhar as andanças e grandes feitos de Bannery Skarten, ao velar o destino de Spenyn e, inclusive, da própria Ioverlar!!!
– Fábio Hingst

Dos trabalhos da autora, esse é o melhor que pude ler. A escrita amadureceu muito. O conto traz uma protagonista excelente, em um contexto cuja tensão só cresce do início ao fim. E as cenas finais, são descritas com um ritmo perfeito e uma prosa que não deixa a desejar em nada!
Denner

1 comentário em “A Serpente de Bronze”

  1. Pingback: O Que me Levou ao Universo da Escrita? - G. M. Rhaekyrion

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *